Tuesday, 31 December 2013

2014: ENECH



Em irlandês antigo, a palavra Enech significa 'ROSTO, FACE' - aquilo que mostramos ao mundo.

Num sentido mais profundo, Enech é 'HONRA' - nosso VALOR intrínseco: nossa essência mais profunda, que devemos defender e desenvolver.

Enech, o rosto, é a revelação de Enech, nossa honra, nosso valor.

A cada ano que se encerra, compartilho com meus amigos uma palavra-conceito, a ser perseguida no ano que se inicia: em 2013, a palavra foi "VERDADE", e dediquei-me a compreender os diversos níveis de verdade e, acima de tudo, a VIVER MINHA VERDADE. De verdade... 


Que em 2014 tenhamos clara a compreensão de nosso valor, que vivamos com HONRA, que exibamos com orgulho nossa real FACE.

Friday, 8 November 2013

Verdade...

Quando falamos em "busca pela Verdade", referimo-nos não a uma verdade 'moral', 'cultural' ou 'social', mas a algo maior e mais profundo: a compreensão e ao alinhamento daquilo que é que somos no mais fundo de nossa essência.

Quando determinados grupos - religiosos, políticos, publicitários - faltam com a Verdade em suas palavras e ações, eles não estão apenas mentindo: estão distorcendo o próprio conceito de verdade, estão desfazendo a ordem do universo.

  • "Só nós temos a salvação";
  • "Trabalhamos em prol do povo";
  • "Compre isso e seja feliz";
  • "Nosso objetivo é a paz"...

Contra a mentira é fácil argumentar: é só expor a Verdade.

Quando esta é propositalmente distorcida, porém, perdemos o referencial, ficamos sem argumento, somos manipulados e subjugados.

Os textos medievais irlandeses fazem supor que "A VERDADE É A COLA QUE MANTÉM UNIDO O UNIVERSO".

Pois então, nosso universo vem se desfazendo diante de nossos olhos e graças à nossa inação.



--
Para quem não reconhece, o sorridente cavalheiro na imagem é Joseph Goebbles, arquiteto ideológico do Partido Nazista e criador da frase "Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade."




Friday, 25 October 2013

CONVITE: Celebração do Festival Celta de SAMHAIN

"Só sabe para onde vai quem sabe de onde vem."
- Claudio Quintino Crow 




Presente em todas as espiritualidades autênticas, o Culto aos Ancestrais está na origem do Festival Celta de Samhain e influenciou diretamente a definição do Dia dos Mortos católico.

Como fonte de inspiração e poder, o Culto aos Ancestrais rompe as fronteiras de todas as religiões e nos põe em contato direto com nossa tradição pessoal, fortalecendo nossas raízes e nutrindo nossa força individual e coletiva.

Venha você também participar desta jornada às origens do Samhain: conduzido por Patricia Fox e Claudio Quintino Crow, este evento oferece aos participantes a oportunidade de compreender os simbolismos, a força e a história do SAMHAIN e de estabelecer comunhão com as suas ancestralidades de sangue, de Espírito e de Localidade.
Quando: 02 de novembro de 2013 - sábado, das 17h às 19h
Local: Feminino Essencial - Bem-Viver & Cultura
Endereço: Rua Domingos de Morais, 765 (predio) cj 04 - ao lado do Metrô Ana Rosa
Valor: R$30,00 + doação espontânea de 01 kg de ração para cães ou gatos.

Encontro aberto às mulheres, homens e crianças acima de 6 anos.

Material necessário para participação:
- 01 vela branca comum + castiçal com base segura
- flores de sua preferência para o altar
- 01 garrafa de água mineral
- fotos de seus antepassados (consanguíneos ou não)
- caneca ou copo para uso pessoal (imprescindível)
- roupas confortáveis, pois nos sentamos no chão.

Para efetivar sua inscrição ANTECIPADA, por favor, escreva para: femininoessencial@gmail.com

Gratidão.

Thursday, 29 August 2013



ÚLTIMA CHAMADA! 

Curso Presencial "Xamanismo & Espiritualidade Celta"

Objetivos do curso:
• explorar e desenvolver a compreensão dos ritmos de nossas vidas através dos ensinamentos da espiritualidade celta; 
• incentivar o desenvolvimento coerente e estruturado de uma espiritualidade individual sólida;
• Identificar os potenciais pessoais de cada um, através de vivências e reflexões com base nos antigos mitos e lendas celtas e nos princípios do xamanismo

A quem se destina?
Todos aqueles que se sentem atraídos pela riqueza cultural e histórica dos povos celtas da Antiguidade e sua herança filosófica e espiritual; praticantes e simpatizantes de espiritualidades xamânicas; interessados em eco-espiritualidade e autoconhecimento.

O curso:
Através de exercícios, vivências e debates em grupo, e tendo por base mais de duas décadas de pesquisa E vivência prática da herança espiritual celta, o condutor combina práticas e conceitos do moderno xamanismo aos poderosos ensinamentos contidos nos antigos textos irlandeses, compartilhando um conteúdo inédito, rico em alternativas e perfeitamente adequado à nossa realidade moderna.

Mais detalhes: femininoessencial@gmail.com

Tuesday, 27 August 2013

ÚLTIMOS DIAS! Curso presencial "XAMANISMO & ESPIRITUALIDADE CELTA"

Ainda dá tempo!


No próximo dia 31/08, domingo, teremos a PRIMEIRA AULA do curso presencial "XAMANISMO & ESPIRITUALIDADE CELTA" e você ainda pode se inscrever - escreva para femininoessencial@gmail.com para maiores detalhes!

Venha 
ENCONTRAR A SUA ESPIRITUALIDADE - ouça sua Canção, a expressão da sua Alma...
Curso Xamanismo e Espiritualidade Celta: Ouvindo a Canção da sua Alma


Ritmos, harmonia, pausas, tons: nossas vidas são como música - e cada um de nós tem sua própria melodia. A partir do estudo e entendimento da sabedoria dos antigos celtas e das ricas lições da Irlanda antiga e medieval, buscaremos a sua Canção Espiritual. Ao conhecê-la, você terá mais condições de explorar melhor seus potenciais, alinhar-se aos ritmos do mundo em que vivemos e vivenciar a harmonia entre Corpo-Mente-Espírito.

Objetivos do curso:
• explorar e desenvolver a compreensão dos ritmos de nossas vidas através dos ensinamentos da espiritualidade celta; 
• incentivar o desenvolvimento coerente e estruturado de uma espiritualidade individual sólida;
• Identificar os potenciais pessoais de cada um, através de vivências e reflexões com base nos antigos mitos e lendas celtas e nos princípios do xamanismo 

A quem se destina?

Todos aqueles que se sentem atraídos pela riqueza cultural e histórica dos povos celtas da Antiguidade e sua herança filosófica e espiritual; praticantes e simpatizantes de espiritualidades xamânicas; interessados em eco-espiritualidade e autoconhecimento.

O curso
Através de exercícios, vivências e debates em grupo, e tendo por base mais de duas décadas de pesquisa E vivência prática da herança espiritual celta, o condutor combina práticas e conceitos do moderno xamanismo aos poderosos ensinamentos contidos nos antigos textos irlandeses, compartilhando um conteúdo inédito, rico em alternativas e perfeitamente adequado à nossa realidade moderna.

Temas abordados:

Composto por seis encontros mensais, o curso Espiritualidade Celta e Xamanismo oferece aos participantes um insight profundo sobre:

- O que é xamanismo;
- práticas e vivências xamânicas em nosso dia-a-dia;
- filosofia e espiritualidade celta;
- resgatando a sacralidade do tempo;
- Os Caldeirões Interiores: uma terapia de autoconhecimento e harmonização
- Entrelaçando os Mundos: percepções celtas do mundo espiritual
- Mitos e lendas, Deidades e Heróis
- Uma Mitologia Individual
- Paisagem Sagrada: A Cura da Terra
- E muito mais

Metodologia:
Em encontros presenciais mensais de três horas, os temas serão abordados valendo-se dos anos de experiência em sala de aula (como professor de idiomas e instrutor de druidismo, xamanismo e espiritualidade celta), apresentando debates, conduzindo vivências e explorando a rica interação em grupo que permite a cada participante desfrutar dos temas abordados com a estrutura da pesquisa profunda e o aprendizado da vivência prática.

Quem é o condutor:
Claudio Quintino Crow é pesquisador independente de cultura celta e irlandesa; escritor, é autor de "O Livro da Mitologia Celta" (2002, esgotado); recebeu instrução e iniciação em Xamanismo Celta diretamente de John Matthews (2001) e em druidismo de Emma Restall Orr (2002); por vários anos, foi o representante no Brasil da British Druid Order (B.D.O.) e da Druid Network, tendo sido indicado pessoalmente por Emma Restall Orr. Associado à ABEI (Associação Brasileira de Estudos Irlandeses), tem seu trabalho reconhecido academicamente, sendo frequentemente convidado a apresentar palestras e comunicações em simpósios acadêmicos internacionais como o "Symposium of Irish Studies in South America" (diversas edições) e o "Simpósio de Estudos Celtas e Germânicos" (edição inaugural).

Início: agosto/2013
Aulas Mensais: um sábado por mês, das 15h às 18h

Matrículas abertas!

Informações pelo email: femininoessencial@gmail.com
Claudio Quintino Crow


website: www.claudiocrow.com.brfacebook:www.facebook.com/claudiocrow.real

"Happiness is neither virtue nor pleasure nor this thing nor that but simply growth, We are happy when we are growing."
William Butler Yeats
"A Felicidade não está na virtude ou o prazer, nem numa coisa ou noutra, mas simplesmente no crescer. Quando crescemos, estamos felizes."

Tuesday, 20 August 2013

Voltará? Como, se jamais partiu?


“E os que foram vistos bailando foram tidos como loucos pelos que não conseguiam ouvir a Música.” - Friederich Nietzsche


“E os que foram vistos bailando foram tidos como loucos pelos que não conseguiam ouvir a Música.”
- Friederich Nietzsche

ENCONTRAR A SUA ESPIRITUALIDADE - sua Canção, a expressão da sua Alma: é isto que faremos no curso presencial "XAMANISMO & ESPIRITUALIDADE CELTA" que começa dia 31 DE AGOSTO...

AINDA DÁ TEMPO! 
http://femininoessencial.ning.com/events/curso-xamanismo-espiritualidade-celta-com-claudio-quintino-crow



Quem é o instrutor:
Claudio Quintino Crow é pesquisador independente de cultura celta e irlandesa; escritor, é autor de "O Livro da Mitologia Celta" (2002, esgotado); recebeu instrução e iniciação em Xamanismo Celta diretamente de John Matthews (2001) e em druidismo de Emma Restall Orr (2002); por vários anos, foi o representante no Brasil da British Druid Order (B.D.O.) e da Druid Network, tendo sido indicado pessoalmente por Emma Restall Orr. Associado à ABEI (Associação Brasileira de Estudos Irlandeses), tem seu trabalho reconhecido academicamente, sendo frequentemente convidado a apresentar palestras e comunicações em simpósios acadêmicos internacionais como o "Symposium of Irish Studies in South America" (diversas edições) e o "Simpósio de Estudos Celtas e Germânicos" (edição inaugural).

Assista ao video de apresentação do curso:


Monday, 12 August 2013

AINDA DÁ TEMPO! Curso "Xamanismo e Espiritualidade Celta: Ouvindo a Canção de sua Alma"

O FEMININO ESSENCIAL ampliou o prazo para você participar do novo curso presencial "Xamanismo e Espiritualidade Celta: Ouvindo a Canção de sua Alma"!
Agora você tem até o dia 20 DE AGOSTO para efetuar sua inscrição - mas corra, pois trabalhamos com turmas pequenas e são poucas vagas!
Envie já seu email para femininoessencial@gmail.com
Assista ao video explicativo: http://www.youtube.com/watch?v=Xo5wg_KQato
Inline images 1
Xamanismo e Espiritualidade Celta:
Ouvindo a Canção de sua Alma

Ritmos, harmonia, pausas, tons: nossas vidas são como música - e cada um de nós tem sua própria melodia. A partir do estudo e entendimento da sabedoria dos antigos celtas e das ricas lições da Irlanda antiga e medieval, buscaremos a sua Canção Espiritual. Ao conhecê-la, você terá mais condições de explorar melhor seus potenciais, alinhar-se aos ritmos do mundo em que vivemos e vivenciar a harmonia entre Corpo-Mente-Espírito.

Objetivos do curso:
• explorar e desenvolver a compreensão dos ritmos de nossas vidas através dos ensinamentos da espiritualidade celta; 
• incentivar o desenvolvimento coerente e estruturado de uma espiritualidade individual sólida;
• Identificar os potenciais pessoais de cada um, através de vivências e reflexões com base nos antigos mitos e lendas celtas e nos princípios do xamanismo   
A quem se destina?
Todos aqueles que se sentem atraídos pela riqueza cultural e histórica dos povos celtas da Antiguidade e sua herança filosófica e espiritual; praticantes e simpatizantes de espiritualidades xamânicas; interessados em eco-espiritualidade e autoconhecimento.

O curso
Através de exercícios, vivências e debates em grupo, e tendo por base mais de duas décadas de pesquisa E vivência prática da herança espiritual celta, o condutor combina práticas e conceitos do moderno xamanismo aos poderosos ensinamentos contidos nos antigos textos irlandeses, compartilhando um conteúdo inédito, rico em alternativas e perfeitamente adequado à nossa realidade moderna.
Temas abordados:
Composto por seis encontros mensais, o curso Espiritualidade Celta e Xamanismo oferece aos participantes um insight profundo sobre:
- O que é xamanismo;
- práticas e vivências xamânicas em nosso dia-a-dia;
- filosofia e espiritualidade celta;
- resgatando a sacralidade do tempo;
- Os Caldeirões Interiores: uma terapia de autoconhecimento e harmonização
- Entrelaçando os Mundos: percepções celtas do mundo espiritual
- Mitos e lendas, Deidades e Heróis
- Uma Mitologia Individual
- Paisagem Sagrada: A Cura da Terra
- E muito mais

Metodologia
Em encontros presenciais mensais de três horas, os temas serão abordados valendo-se dos anos de experiência em sala de aula (como professor de idiomas e instrutor de druidismo, xamanismo e espiritualidade celta), apresentando debates, conduzindo vivências e explorando a rica interação em grupo que permite a cada participante desfrutar dos temas abordados com a estrutura da pesquisa profunda e o aprendizado da vivência prática.   
Quem é o condutor:
Claudio Quintino Crow é pesquisador independente de cultura celta e irlandesa; escritor, é autor de "O Livro da Mitologia Celta" (2002, esgotado); recebeu instrução e iniciação em Xamanismo Celta diretamente de John Matthews (2001) e em druidismo de Emma Restall Orr (2002); por vários anos, foi o representante no Brasil da British Druid Order (B.D.O.) e da Druid Network, tendo sido indicado pessoalmente por Emma Restall Orr. Associado à ABEI (Associação Brasileira de Estudos Irlandeses), tem seu trabalho reconhecido academicamente, sendo frequentemente convidado a apresentar palestras e comunicações em simpósios acadêmicos internacionais como o "Symposium of Irish Studies in South America" (diversas edições) e o "Simpósio de Estudos Celtas e Germânicos" (edição inaugural).

Pré-requisito: Nenhum 

Carga horária: 18 horas/aula
Início: agosto/2013


Horário das aulas: 
Um sábado por mês, das 15h às 18h
Encontros Mensais

Matrículas abertas!
Clique aqui e garanta sua vaga!
Sobre os valores, escreva para: femininoessencial@gmail.com

Monday, 15 July 2013

Curso XAMANISMO & ESPIRITUALIDADE CELTA (presencial)

Em AGOSTO!


Carga horária: 6 encontros - 01 sábado ao mês (datas pré-agendadas - solicite o calendário POR EMAIL)
Início: 31/agosto/2013
Horário das aulas: 01 Sábado ao mês, das 15h às 18h

Local das aulas: Feminino Essencial - Conhecimento, Arte e Cultura
Rua Domingos de Morais, 765 - cj 04 - ao lado do metrô Ana Rosa
Matrículas abertas! Inscrições antecipadas e vagas limitadas.
Trabalhamos com grupos pequenos e intimistas.

MAIORES INFORMAÇÕES AQUI: http://femininoessencial.ning.com/page/espiritualidade-celta

Friday, 28 June 2013

De Viagens e Religiões

De Viagens e Religiões
(originalmente publicado em 29/05/2010)

Um grupo de indivíduos em Nova York deseja vir ao Brasil; eles possuem diversas formas de fazê-lo: podem optar por vir de avião, navio, de carro, ônibus, moto, bicicleta, cavalo ou mesmo a pé. Mesmo dentro de uma dessas opções, o itinerário a seguir também pode variar: com ou sem escalas, por esta ou aquela estrada, esta ou aquela companhia, nesta ou naquela velocidade… Existem várias formas de se viajar de Nova York ao Brasil. O que conta, no fim das contas, é chegar ao destino – e o mesmo ocorre com as religiões.



Tome como exemplo quaisquer duas religiões: ainda que haja uma miríade de divergências fundamentais entre uma e outra – por exemplo, uma pode ser monoteísta e a outra politeísta; uma pode crer na continuidade da vida pós-morte enquanto a outra não, e assim por diante – ainda que essas diferenças sejam latentes e impossíveis de ignorar, há ao menos um elemento comum a todas as religiões: o fato de que todas elas se dispõem a explicar os mistérios e questões mais profundas da vida e a oferecer conceitos e valores que formem uma estrutura filosófica sobre a qual o seguidor vive sua vida.

Essa é a verdadeira finalidade das religiões – todas elas.

Em sua essência, toda religião é válida – desde que entendida no contexto sócio-cultural em que está inserida. Nenhuma religião ou manifestação espiritual pode ser avaliada sem que se leve em conta a sociedade na qual se desenvolve, os princípios e valores do povo que a pratica, as circunstâncias históricas que moldam seu desenvolvimento.

Práticas que aos nossos olhos soam bizarras, crenças que para nosso juízo parecem incoerentes só sobrevivem em seu ‘hábitat’ natural – o universo sócio-cultural e histórico-geográfico onde se desenvolvem. Evidentemente, a questão fica mais delicada quando uma dada religião é ‘transplantada’ para outro contexto sócio-cultural, outra paisagem histórico-geográfica.

O que se segue, geralmente, é um período de adaptação que traz mudanças em suas práticas e princípios - mudanças que são, literalmente, irresistíveis. É o mecanismo natural de sobrevivência e evolução das religiões - querendo seus seguidores ou não.

É por isso que, para se compreender a fundo uma dada religião – qualquer que seja ela - é preciso compreender, antes de mais nada, sua evolução e história. E quando nos dispomos a isso, nos é dado compreender um fato importante:

Toda religião é válida – até mesmo aquelas que se mostram diametralmente opostas à nossa (seja ela qual for).

Ora, se toda religião é válida, nenhuma pode ser relegada a um segundo plano, nenhuma pode ser rotulada como negativa, nenhuma pode ser atacada – ou assim deveria ser. Nenhuma religião detém o “monopólio da verdade”, nenhuma deveria se entitular o “verdadeiro e único caminho” – porque todas são caminhos: todas as religiões são meio, e não fim.

Evidentemente, existem pontos que podem ser vistos como negativos nesta ou naquela religião – valores socialmente anacrônicos, postura dominante elitista, descompasso com a realidade corrente. Da mesma forma, toda – toda - religião possui seus desvios de conduta: indivíduos que, mais por seu próprio desequilíbrio do que pelos princípios da fé que abraça, agem de forma criminosa: padres pedófilos, pastores estelionatários, auto-entitulados ‘bruxos’ sádicos…

Da mesma forma que nenhuma religião detém o monopólio da virtude, nenhuma é composta só de depravados.

Ao contrário: os depravados das mais diversas categorias é que costumam se abrigar no seio desta ou daquela instituição, muitas vezes valendo-se da cobertura dessa instituição para dar vazão a seus instintos criminosos.

E não é só no universo religioso que esses depravados se instalam: torcidas organizadas, partidos políticos, ONGs… qualquer organização pode – e costuma - atrair esses desequilibrados de plantão às suas fileiras.

Assim, rotular este ou aquele grupo – religioso, político, cultural – como “bom” ou “ruim” é precipitado, injusto e, acima de tudo, imaturo, engendrando sentimentos de conflito entre grupos diferentes, intolerância e fanatismo.

Fanatismo e ignorância andam de mãos dadas

Poucos universos são mais férteis para o desenvolvimento do fanatismo do que o religioso. No mais das vezes, o sectarismo e a intolerância surgem naqueles indivíduos que menos compreendem sua própria religião: diante do diferente, sentem-se ameaçados. E ao sentirem-se ameaçados, atacam com a veemência e a fúria da besta acuada.

Sempre que me deparo com um discurso fanático, identifico com facilidade em sua origem a ignorância – no sentido literal da palavra: ato de ignorar, desconhecer. Nas palavras do irlandês William Butler Yeats, “toda alma vazia tende a opiniões extremas”.

O mais triste é que, cedo ou tarde, essas ‘almas vazias’, tão propensas a opiniões extremas e radicais - tão incapazes de enxergar a si mesmas, e que dizer das almas à sua volta – cedo ou tarde elas acabam por contaminar até mesmo o seio do grupo ao qual dizem pertencer e que, ao defender com tanto ardor, só fazem gerar mais distanciamento, mais isolamento, mais intolerância e incompreensão.

Se o fanático percebesse que sua religião não é ameaçada pela existência de outras religiões, ele não se agarraria aos seus dogmas, crenças e visões com tanta força, não atacaria o diferente. Mas se o fanático percebesse isso, não seria fanático… e fato é que o mundo está cheio de fanáticos.

Curiosamente, o fanático demonstra sua mais visceral intolerância com aqueles que caminham ao seu lado - e que, justamente por compartilharem da mesma crença, à menor divergência de percepção são vistos como ameaças a uma suposta “integridade” da sua religião. Como vimos acima, a evolução e a adaptação são marcas naturais de todas – todas – as religiões. Assim, religião nenhuma possui “integridade” ou “pureza” - salvo na cabeça do fanático, que preza essa falsa “pureza” porque ela é, na verdade, seu escudo, a máscara com que ele oculta a sua ignorância.

Religião e espiritualidade

Por conta dessa intolerância e dos desvios de conduta de alguns indivíduos que crêem falar e agir em nome de sua fé, muitas pessoas desenvolveram repulsa pela palavra ‘religião’, pois para muitos ela pressupõe dogmas, estruturas rígidas e hierarquia. Eis porque, como já dito, ‘nem todos possuem uma religião, mas todos possuem uma espiritualidade’. Grosso modo, espiritualidade é a manifestação pessoal das crenças e princípios de um indivíduo, e idealmente, mas não necessariamente, se alinham com perfeição com alguma corrente religiosa. Eis porque costumo usar as palavras ‘espiritualidade’ e ‘religião’ como sinônimos, diluindo o peso negativo atrelado à palavra ‘religião’ e enaltecendo a força da espiritualidade individual - em última análise, fortalecendo a fusão de ambas.

Disputa e Destino

As disputas entre seguidores de diferentes religiões tendem a ser tão violentas quanto as discussões entre torcedores de times rivais. Porque ambos os lados se esquecem que, sem outros times com quem jogar, o seu time do coração simplesmente não tem razão para existir. Eis o que o fanático faz: cego diante da condição primordial da existência de sua fé, desconfia, despreza e desacata todas as outras que, a seus olhos adoentados, se lhe opõem.

Já as disputas internas entre ‘facções’ de uma mesma religião são ainda mais doentias: é como, estando reunidos no Rio de Janeiro, um grupo de pessoas discutisse intolerantemente acerca de suas escolhas pessoais de transporte: os que vieram de avião louvam a rapidez da viagem, os que vieram de carro enaltecem a liberdade em determinar ritmo e itinerário, os que vieram a pé defendem o exercício físico, os de navio o conforto - e todos têm razão. Mas cegos pela razão, simplesmente se esquecem que todos, no fundo, estão juntos, no destino estabelecido.

Quem de fato compreende a fundo sua religião abre a porta do diálogo com todas as demais. Quem não a compreende vê todos os outros como inimigos.

Que sua viagem seja tão rápida, confortável, saudável e livre quanto você desejar.


Tuesday, 18 June 2013

A Mãe, a Menina, o Torpor e o Chico


A Mãe, a Menina, o Torpor e o Chico

Submetida às constantes oscilações de humor da mãe alcoólatra, a jovem adolescente vive uma vida emocionalmente instável entre o amor quase incondicional que une mãe e filha e a inevitável repulsa pelo indivíduo que, conscientemente, entrega-se à sua própria ruína.

No dia-a-dia, a menina tem de cozinhar para ambas, limpar a casa, agüentar os destemperos e a falta de regras da mãe – apesar de na maior parte do tempo sua vida ser uma provação, os poucos momentos em que a mãe aflora por trás da alcoólatra são compensadores: os afagos, as conversas amistosas e os risos cúmplices de ambas nesses momentos são o fio de esperança que sustenta a filha, que a faz projetar um futuro melhor para ambas, para o mundo delas. Passados esses raros momentos, a mãe mergulha em seu torpor embriagado e a menina volta ao torpor da angústia e do trabalho duro, sempre à espera do próximo lampejo que lhe refaça a energia e restaure a esperança.

O que parece a sinopse de um livro de alguma escritora irlandesa do século XX é, na verdade, uma alegoria. Uma metáfora, uma simplificação de sentimentos que me invadem quando o assunto é o Brasil.

Assim como o clichê do pintinho que toma por mãe a primeira criatura que vê ao sair do ovo, é evidente que amo o Brasil pelo simples fato de aqui ter nascido. Por mais embriagada que seja, esta é minha nação, este é meu país. Esta é minha terra. Muitas vezes, essa ‘pátria amada, mãe gentil’ me embaraça: dói-me o torpor coletivo de nós todos, sua gente – nós todos juntos somos a filha dessa mãe, por vezes tão bêbada. (É óbvio, falo da nação, não da terra.)

Amar alguém que nos destrata não é fácil. O amor de verdade não é algo que simplesmente se descarte, não é algo que se abra mão com leveza: por vir de dentro, lá do fundo, o amor é uma parte de nós. Quando esse amor não é correspondido, o resultado é dor: adoecemos, o pêndulo balança, e o amor se torna raiva. É inevitável imaginar a menina fictícia deitada aos prantos em sua cama após mais uma briga com a mãe, após mais uma desilusão. Em muitos momentos, nossa relação de brasileiros com o Brasil é igual: atiramo-nos chorando sobre nossos travesseiros, amaldiçoando nossa condição, tentando em vão livrarmo-nos desse vínculo; xingamos, diminuímos, ofendemos, esperneamos, negamos... para depois, passada a fúria, voltarmos à consciência de que essa é a nossa natureza: somos filhos dessa mãe e, por isso, a amamos. Nossa aparente raiva é a única defesa desse sentimento que nos faz ser quem somos.

Ontem, como em raríssimos momentos recentes, foi um momento em que senti a mãe carinhosa e otimista por trás da escura nuvem do torpor brasileiro. Os próximos dias dirão se foi um breve lampejo de sobriedade ou um passo rumo a algo novo, diferente, verdadeiramente transformador: se foi um respiro entre dois torpores ou se foi o primeiro passo rumo a uma desintoxicação permanente.

Assim como a menina fictícia do primeiro parágrafo, a dor dos tempos passados me torna um tanto descrente, um tanto cético: temos medo da desilusão, temos medo do trauma de ver mais uma vez a esperança que brota ser atirada à lama.
Por outro lado, é justamente o amor filial que mantém viva essa esperança: como uma brasa, basta uma leve brisa para que a labareda da esperança se erga.



No fundo, eu e a menina do texto – e imagino, muitos outros brasileiros – temos medo do tombo da desilusão de, mais uma vez, alimentarmos o fogo da esperança. Ao mesmo tempo, tudo o que eu, a menina do texto e, imagino, muitos outros brasileiros queremos é justamente uma brisa que nos acalente, que nos traga forças para olhar adiante e esperar: “desta vez, a coisa muda.”

Pode até vir o tombo: por ora, tudo o que eu quero é abraçar e sorrir junto com minha Mãe Brasil. “Amanhã vai ser outro dia”.

© 2013, Claudio Quintino Crow - Proibida a reprodução total ou parcial da obra sem a prévia e expressa autorização por escrito do autor. Lei Federal 9.610/98. www.claudiocrow.com.br


Thursday, 13 June 2013

Monday, 3 June 2013

Workshop PRESENCIAL Xamanismo Celta: Conceitos e Práticas

PROGRAME-SE: É no próximo domingo!

Workshop
Xamanismo Celta: Conceitos e Práticas

Os relatos míticos da Irlanda Celta são repletos de exemplos de práticas xamânicas, que nos possibilitam realinhar nossas metas e obter aconselhamento para nossas escolhas.
Desenvolvido por Claudio Quintino Crow a partir de treinamento recebido de seu instrutor, o britânico John Matthews, este workshop se destina a todos que se afinizam com a riqueza da ancestral cultura celta e que buscam nela uma estrutura filosófica e prática condizente com as necessidades de nossos dias.

Inscrições antecipadas, somente até 07/06.
femininoessencial@gmail.com




Thursday, 23 May 2013

GLÓR IRISH MUSIC na 14ª MAIFEST do Brooklin!

GLÓR IRISH MUSIC, orgulhosamente levando o melhor da Irish Music a um dos eventos culturais mais tradicionais de São Paulo!




Data: 25/05, sábado
Horário: 20h
Local: MaiFest Brooklin

Chegar é fácil, fácil!


Mais informações sobre o evento completo aqui

Monday, 6 May 2013

Aula aberta Online: ELEMENTOS E FUNDAMENTOS DO DRUIDISMO


SEMANA QUE VEM VOCÊ É NOSS@ CONVIDAD@!

Aula aberta do Módulo III do Curso Online "DRUIDISMO & ESPIRITUALIDADE CELTA"

Tema do Módulo: ELEMENTOS E FUNDAMENTOS DO DRUIDISMO


Tempo Sagrado / Espaço Sagrado / Inspiração / Ancestralidade

O que: aula aberta Módulo III
Quando: segunda-feira, 13/05
Horário: 20h30
Onde: No conforto da sua casa (aula online na sala virtual do Feminino Essencial)
Sem custo: inscrições pelo email femininoessencial@gmail.com
 
 

Friday, 3 May 2013

Orbitamos

É curioso como por vezes algumas pessoas ficam próximas: contatos, encontros e conversas constantes... Para depois pouco a pouco nos afastarmos - sem traumas nem entreveros, sem malícia nem qualquer motivo outro que não a elíptica das nossas órbitas que naturalmente se afastam...

Compreender essa dinâmica ajuda a diminuir ansiedades e projeções, e ensina a gente a não desperdiçar as chances que aparecem com a proximidade temporária. Não sabemos, afinal, se algum dia as órbitas tornam a se aproximar.





Friday, 26 April 2013

Convite Palestra: INTEGRAÇÃO, INTEGRIDADE, PERFEIÇÃO: O PRINCÍPIO DA CURA NAS ESPIRITUALIDADES ANCESTRAIS

No próximo dia 27 de maio, dentro do  1º Congresso Internacional de Saúde e Estética Integrativa, apresentarei a palestra:


INTEGRAÇÃO, INTEGRIDADE, PERFEIÇÃO:
O Princípio da Cura nas Espiritualidades Ancestrais

Um evento marcante pelo seu pioneirismo, reunindo gente boa de diversas áreas ligadas à Saúde e ao bem Estar - imperdível para os profissionais e interessados da área.





  

Programação completa e maiores informações:http://www.caeci.com.br/congresso_saude_estetica.php


SINOPSE DA PALESTRA:
O resgate da visão ancestral da Cura entre culturas ditas ‘primitivas’: quebrando
paradigmas para ampliar o escopo dos modernos curadores nas mais diversas
disciplinas e terapias.

A realidade do mundo pós-iluminista exige uma percepção mais humanizada
de diversos conceitos e princípios que norteiam nosso trabalho e nossas vidas
cotidianas. Tal realidade se mostra ainda mais premente no universo das ciências
da cura, onde os modelos mecanicistas ainda em voga já se mostram incapazes
de fornecer as respostas necessárias e retardam os avanços de pesquisas que
promovam uma real compreensão do que é, de fato, ‘curar’.

A pesquisa de culturas ditas ‘primitivas’ e da relação que estas estabelecem com
o mundo da Cura possibilitam a ampliação de nossa percepção contemporânea –
um processo que passa pelo questionamento do próprio significado do verbo ‘curar’
e remete ao resgate dos saberes que nos devolvam a percepção de que cada
indivíduo é único mas integrado ao todo, indivisível mas multifacetado.

Com base em anos de estudo e prática de tradições xamânicas e da cultura celta,
o palestrante Claudio Quintino Crow conduzirá uma jornada que parte de nosso
passado ancestral, passa pela compreensão dos processos presentes e propõe a
criação de um futuro melhor.

Claudio Quintino Crow é escritor e pesquisador independente de cultura celta;
treinado em Xamanismo Celta pelo renomado pesquisador britânico John Matthews,
há anos ministra cursos voltados para os mais diversos aspectos da cultura celta,
sempre integrando seus valores e princípios a nossa realidade atual. Atualmente,
dedica especial interesse à importância da música e da poesia como veículos de
integração e cura, tanto num nível individual quanto coletivo.